História das cidades do Seridó potiguar: História de Caicó / RN

História de Caicó / RN



"POÇO DE SANTANA NÃO SECA"

A terra fértil, de mato ralo, rica em pastagens e aguadas, e também adequada para a criação de gado, tinha habitantes, nos idos 1700, os ferozes índios Caicós. Nessa época, batedores paraibanos chegaram à região, dispostos a expulsarem os índios que viviam na área próxima a junção entre os rios Barra Nova e Seridó, e estabeleceram uma caçada sem tréguas.

Depois de sangrentos combates, os índios Caicós foram expulsos, deixando a área aberta para a chegada de aventureiros e famílias de plantadores. Começaram, então, a surgir pequenos núcleos comunitários voltados inteiramente para a pecuária.

A notícia da descoberta de uma região boa para a criação de gado passou a atrair gente de outros estados, como paraibanos, pernambucanos e até portugueses, na tentativa de colocarem seus rebanhos nas novas terras. Entre os antigos povoadores destacavam-se o tenente José Gomes Pereira, Manoel de Souza Fortes, e o capitão Inácio Gomes da Câmara.

Em 15 de abril de 1748, a povoação chamada de Seridó, que pertencia à freguesia de Piancó, Estado da Paraíba, passou a ser sede de distrito administrativo e, também, freguesia.

No registro da freguesia, o nome Caicó aparece ao lado do nome Seridó. Isso é o que está escrito no livro do tombo da Catedral da cidade. Mas, antes dessa referência, já havia menção ao nome Caicó da concessão de sesmaria ao capitão Inácio Gomes da Câmara, em setembro de 1736.

O município foi criado, com o nome de Vila Nova do Príncipe, através da determinação de Ordem Régia de 22 de julho de 1766, e sua execução se deu pela Ordem do Governo de Pernambuco, em 28 de abril de 1788, com a instalação ocorrendo em 31 de julho do mesmo ano. A Vila do Príncipe foi uma das oito primeiras Vilas fundadas no Rio Grande do Norte durante o período do Brasil Colonial, sendo considerada uma das cédulas da formação municipalista do Estado.

Recebeu foros de cidade no dia 16 de dezembro de 1868, por meio da Lei Provincial n° 612, e através do Decreto Estadual n° 12, de 1° de fevereiro de 1890, passou a se chamar Seridó. O nome Caicó chegou oficialmente em 7 de julho de 1890, através do Decreto Estadual n° 33.

Caicó é o nome derivado da tribo indígena, descendente da família dos Cariris, que habitava a região. A palavra Caicó significa, segundo historiadores, macaco esfolado. Mas, o significado mais levado em consideração foi dado por Lemos Barbosa, em seu livro Dicionário Tupi-Guarani, onde afirma que a palavra Caicó significa mato ralo.

Entre as muitas estórias disseminadas na região destaca-se a crença que os índios Caicós tinham em seu deus, Tupã, que vivia nas proximidades encarnado num touro selvagem, morando num mofumbal, situado no local onde se encontra a cidade de Caicó. Devido à presença do deus touro os índios se julgavam invencíveis. A tribo foi exterminada, mas o mofumbal permaneceu intacto e um vaqueiro desavisado que se aventurou pelo local foi repentinamente atacado pelo grande touro. O vaqueiro que seria, segundo a estória, facilmente esmagado pelo animal, apelou para a fé em Nossa Senhora de Santana, prometendo fazer capela em sua homenagem se conseguisse escapara daquele perigo. Foi então que, numa fração de segundos, o touro sumiu. Agradecido, o vaqueiro destruiu a mata existente e começou a construção da capela.

A crença do vaqueiro foi aumentando e também sendo posta à prova. A seca veio forte e ameaçava estancar a única aguada existente que era um poço situado no rio Seridó. o vaqueiro, então, pede a Nossa Senhora de Santana outra ação milagrosa: que o poço não seque até que a capela seja concluída. O resultado disso é que o poço continuou jorrando água, não secou durante a construção, nunca secou, e passou a ser conhecido como Poço de Santana. São as estórias de Caicó, estórias de fé, estórias do povo.
Um fato histórico relembrado por muitos foi a chamada Insurreição de Quebraquilos feita, por pessoas que protestavam contra a vigência de novas medidas e pesos do sistema decimal, durante dois sábados de feira, dias 5 e 12 de dezembro de 1874.

A coragem de Caicó esteve presente em importantes momentos da nação. Quando o Coronel de Milícia, Joaquim Pinto Madeira, decidiu se apossar do Governo da Paraíba através de um golpe militar nos idos de 1831, muitos caicoenses foram voluntários para combater os rebeldes, em defesa da legalidade, sob o comando do Coronel José Teixeira. Quando Guerra do Paraguai representava ameaça à soberania da nação, os caicoenses se apresentaram como voluntários para o combate, tendo à frente Manoel de Araújo e José Bernardo. Não chegaram a combater, é bem verdade, já que foram dispensados no Rio de Janeiro, mas não fugiram à luta.

Quando a revolução comunista, em 1935, tentou dominar o interior usando a ameaça e a força, os caicoenses novamente partiram para a luta. Sob o comando de Dinarte de Medeiros Mariz, Eduardo Gurgel de Araújo, e do Monsenhor Walfredo Gurgel, os voluntários paisanos de Caicó enfrentaram os adversários na Serra do Doutor, numa histórica emboscada estratégica, garantindo vitória total.
É de Caicó um dos mais importantes juristas brasileiros, Amaro Cavalcanti, nascido na Fazenda Logradouro do Barro, que hoje faz parte do município de Jardim de Piranhas. Amaro Cavalcanti teve suas primeiras lições de latim e de vida no município de Caicó, indo posteriormente para o Ceará, aonde chegou a ser professor de latim. Continuou os estudos e formou-se em Ciências Jurídicas e Sociais pela Union University of Albany.

O grande jurista assumiu cargos importantes, destacando-se de Ministro da Justiça e Negócios Interiores no governo de Prudente de Morais; Ministro do Supremo Tribunal Federal; prefeito do antigo Distrito Federal do Rio de Janeiro durante o governo Wenceslau Braz; Ministro da Fazenda no segundo governo Rodrigo Alves; Inspetor Geral de Ensino Plenipotenciário no Paraguai; deputado federal; senador; Delegado do Brasil à III Conferência Panamericana de Washington. Amaro Cavalcanti, falecido em 1948, fez ainda o Regulamento de Assistência Jurídica e deixou um grande número de livros publicados em vários idiomas.

Localizado na região do Seridó, município de Caicó está a 269 quilômetros de distância da capital, contando com uma área 1.220,4 quilômetros quadrados de extensão.

MAPA DA REGIÃO DO SERIDÓ - CAICÓ / RN
Clique no mapa para ampliar imagem. (1117 x 827)

Mapa da Região do Seridó - Município de Caicó / RN

História de Caicó / RN
Mapa: OpenBrasil.org
Fonte: Livro Terras potiguares - Marcus César Cavalcanti de Morais.
Foto: A/D - Arquivo OpenBrasil.org


História das cidades do Seridó potiguar - OpenBrasil.org
Página anterior Próxima página